Archive for agosto \23\UTC 2005

ardências

Ardo de uma saudade que me tira o sono. Ardo de pressa para te reencontrar. Ardo de vontade de ouvir o tal ‘eu te amo’ vindo depois de um longo e emocionado ‘agora sou só seu’. Ardo de esperanças também, senão não haveria razão para nada disso. Ardo de vontade de viver muitas, muitas, muitas vidas ao seu lado. Ardo de uma necessidade de fazer acontecer, agigantada pela expectativa de que seria bom demais. Ardo de tristeza ao ver os dias passando daqui de longe. Ardo de medo de você não vir. Ardo, ardo muito de ciúme de quem tem um pouquinho mais de você do que eu… Quem quer que seja. Ardo agora de ardências físicas, dessas que queimam a gente por dentro mesmo e que fazem o corpo todo se revirar à procura de outro. Não de qualquer outro, mas daquele outro… Reconhecido, identificado, desejado. Ardo.

Anúncios

para que saibas…

Sei que minhas palavras serão lidas por ti. Sei que assim te sentirás menos distante de mim. Sei que te fortalecerás ao saber que nada mudou. Sei que alegrará teu coração ver serena tua menininha. Sei que a minha poesia te ajudará a enfrentar os dias com o coração leve. Sei que manter viva essa chama é minha obrigação. Então, para que saibas, estou aqui! Menos feliz do que se estivesse em teus braços. Menos sorridente do que se tivesse a tua alegria para compartilhar. Menos inteira do que se soubesse que o futuro será mesmo como eu sonhei. Mas estou aqui. E te espero, porque não encontro outra maneira. E queria apenas que tu soubesses.

sem rumo

O caminho é torto agora. Você era meu norte, orientava meus passos mesmo sem saber que o fazia. Tua sombra encontrava-se com a minha, preenchia meus espaços vazios e isso era o bastante para saber-me inteira. Restou-me somente a solidão. O sol que brilha não aquece, nem com prece. É inverno na minha alma. O frio da tua ausência congela minhas pernas. Perco as forças, o viço, a poesia. Estes olhos que te seguiam ardem num chorar que parece não ter mais fim. Procuro por mim e não encontro nada. Fica a impressão de ter sido levada quando tu partiste daqui…

completude!

Em dias como este, sinto-me acolhida por uma serenidade quase utópica. Dessas que a gente duvida existir, mas todo dia sonha encontrar. As horas caminham no seu ritmo e já não parecem urgentes ou demasiadamente longas. O tempo é sentido em sua plenitude e ganha ares de aliado. Nada falta. Nada sobra. Tudo em mim, no seu devido lugar. O universo emprestando afagos à alma sem data marcada para devolução. COMPLETUDE!

sem amanhã…

Enquanto isso espero você chegar, entrar por esta porta pela última vez para me dar um abraço e dizer que está indo. Mesmo que o coração esteja repleto de um sentir, mesmo que nossos encontros tenham abrilhantado seus dias, mesmo tendo a certeza de que jamais teve a sorte de viver algo assim. Vai me olhar bem nos olhos, me perceber chorando e dizer que lamenta as coisas terem que acontecer dessa maneira. Beijará minha mão em demonstração de todo seu carinho e apreço, dirá as coisas que eu já sei e estou cansada de ouvir. Eu sou especial, querida, mereço alguém como eu… Que infelizmente não é você. Até é, mas não pode mais ser. Vai, talvez, derramar algumas lágrimas, já que comigo aprendeu a deixar transbordar de si a emoção, sem medo de parecer isto ou aquilo. Vai prestar atenção em cada movimento meu, decorar cada expressão do meu rosto para levar como lembrança desse sonho que vivemos juntos. Vai se desculpar por não ter tido coragem, por ter sido covarde diante de algo que nos prometia ser tão grande e valioso. Teve medo de arriscar. Não quis ferir alguém que tem por ti tanto amor. Alguém que tu ainda amas. Escolheu a minha dor, para poder poupá-la. É assim às vezes, a história termina e alguém se machuca. Sobrou pra mim. Outra vez. Vá com Deus. Vá tendo a certeza de que deixa aqui um coração que só queria a chance de gostar de você. Vá sabendo que leva contigo um muito de mim, que dediquei sem qualquer precaução ou receio porque acreditava. Vá sem saber se está fazendo a coisa certa, mas vá porque essa é a única escolha que você arrisca fazer agora e eu não posso mais te esperar…